Os cinco níveis de Kung Fu – V

Os cinco níveis de Kung Fu no Tai Chi Chuan - V

Este texto foi dividido em cinco partes para publicação, cada uma delas trata de um dos cinco níveis mencionados. O texto é de autoria do Grão-Mestre Chen Xiaowang, e foi traduzido para o português e reproduzido aqui sob sua autorização expressa.

O quinto nível de gongfu (kung fu)

O quinto nível de gongfu (kung fu) é o estágio em que se muda de comandar círculos pequenos para comandar círculos invisíveis, de dominar magistralmente a forma para executar a forma de modo invisível. De acordo com os clássicos do Taijiquan (tai chi chuan), “com o fluxo contínuo e suave do qi, com o qi cósmico movendo o qi interno e natural da pessoa, mudando de uma forma fixa para a invisibilidade, a pessoa compreende como a natureza é maravilhosa”. No quinto nível, as ações devem ser flexíveis e suaves, e deve haver jin interno suficiente. Contudo, ainda é necessário esforçar-se pelo melhor. É necessário trabalhar duro diariamente até que o corpo seja muito flexível e possa adaptar-se a mudanças multi-facetadas. Deve have trocas internamente alternando entre o substancial e o insubstancial, mas estas devem ser invisíveis externamente. Somente então o quinto nível de gongfu (kung fu) terá sido atingido.

No que tange a habilidade marcial, neste nível o duro deve complementar o macio, a forma deve ser relaxada, dinâmica, ágil e viva. Todo movimento e todo instante estático está em acordo com o princípio do taiji, assim como os movimentos do corpo todo. Isto quer dizer que todas as partes do corpo devem ser muito sensíveis e reagir rapidamente quando a necessidade surge. Isto deve ser tão verdadeiro que toda parte do corpo pode agir como um punho para atacar a qualquer momento que esteja em contato com o corpo do adversário. Também deve haver troca constante entre expressar e conservar a força e a postura deve ser firme como se estivesse apoiada por todos os lados.

Desta forma a descrição deste nível de gongfu (kung fu) é de que “somente quem pratica com 50% yin e 50% yang, sem nenhuma tendência ao yin ou ao yang, é chamdo um bom mestre. Um bom mestre faz todo movimento de acordo com os princípios do taiji, que exigem que todo movimento seja invisível”.

Depois de completar o quinto nível de gongfu (kung fu) uma relação forte foi estabelecida entre a coordenação da mente, a contração e o relaxamento dos músculos, os movimentos dos músculos e o funcionamento dos órgãos internos. Mesmo quando enfrentado um ataque repentino esta coordenação não será atrapalhada, pois deve-se ser flexível para mudar. Mesmo então, deve-se continuar a buscar o aperfeiçoamento de modo a atingir maiores realizações.

O desenvolvimento do conhecimento é sem limites, assim também é a prática do Taijiquan (tai chi chuan): não se poderia jamais exaurir toda sua beleza e benefícios no tempo de uma vida.

[N. do T.: evidentemente o Grão-Mestre Chen Xiaowang não está falando de invisibilidade física, mas de tornar os círculos que o qi descreve dentro do corpo “invisíveis”, ou melhor dizendo, indetectáveis. Para maiores esclarecimentos leia o comentário de Jan Silberstorff ao texto do Grão-Mestre.]