Perguntas frequentes sobre taijiquan

Perguntas frequentes sobre Taijiquan (Tai Chi Chuan)

Para mais informações sobre Taijiquan (tai chi chuan), por favor veja http://taichichuan.org.br

O que é Taijiquan (tai chi chuan)?

Taijiquan (tai chi chuan) é uma arte marcial chinesa. Segundo os “Anais do distrito de Wen” (Wenxian Zhi), Chen Wangting, da 9ª geração da família Chen naquela região, era comandante da milícia que defendia o distrito, por volta de 1641. Após aposentar-se em 1644, Chen Wangting dedicou-se à aperfeiçoar sua destreza marcial, e criou o Taijiquan (tai chi chuan), que vem sendo transmitido através das gerações da família Chen.

O Taijiquan (tai chi chuan) pode ser usado como defesa pessoal?

Sim, pode. Mas na realidade é pouco frequente alguém atingir o nível de usar eficazmente o Taijiquan (tai chi chuan) para auto-defesa. Isto porque para tornar-se eficaz como defesa pessoal o treinamento requer muitos anos – digamos mais de 10 anos – de treinamento com dedicação exclusiva. O que quer dizer que na prática somente alguém que seja um profissional terá habilidade para usar o Taijiquan (tai chi chuan) como método de auto-defesa.
Se o seu objetivo é auto-defesa a curto prazo, existem estilos marciais mais práticos para isso.

O que há de especial no Taijiquan (tai chi chuan)?

Taijiquan (tai chi chuan) é uma arte marcial “interna”, o que significa que faz uso de um método especial para gerar força. Um sistema marcial completo possui além das técnicas, treinamentos, tática e estratégia, também um método para gerar força e uma filosofia próprias. Diz-se que o Taijiquan (tai chi chuan) é uma arte interna porque para tornar suas técnicas eficazes ele requer o desenvolvimento do que se chama força interna.

O que é força interna?

Força interna é: usar a musculatura interna do corpo, coordenadamente, e torná-la forte. Existe uma grande mistificação em torno do termo, mas na verdade o que ele quer dizer é isto. Se o treinamento for correto, seus músculos e tendões profundos, que não são atingidos com exercícios normais, serão exercitados e fortalecidos, você será adestrado a usá-los naturalmente para realizar os movimentos.

Como é gerada a força interna?

O método para gerar força interna é simples: postura correta do corpo, compreensão correta do método, e treinamento. No entanto para adestrar o corpo a fazer isto naturalmente, primeiro é necessário encontrar um professor que conheça a postura, segundo é preciso treinar segundo o método prescrito e com entendimento deste, e terceiro é necessário treinar várias horas por dia, por muito tempo, para conseguir mudar a forma como o seu corpo se sustenta e se move.

Qual é a postura correta do corpo?

O objetivo de quem pratica Taijiquan (tai chi chuan), basicamente, é manter a postura correta do corpo, durante toda a série de movimentos que compõem a forma. Esta postura se observada por alguém sem conhecimento do assunto parece uma postura totalmente natural – e isto se deve a o Taijiquan (tai chi chuan) respeitar a natureza do corpo humano. No entanto esta postura é milimetricamente precisa, e somente um professor altamente qualificado é capaz de reproduzí-la e ensiná-la. Nesta postura as articulações do corpo encontram-se na posição relativa em que estão o mais livres possível e sofrem um mínimo e esforço, assim todo o corpo pode relaxar e todos os músculos e tendões, inclusive os mais profundos, podem se movimentar harmoniosamente e transmitir o máximo de força.

Qual o pensamento correto durante a prática?

A postura correta para se praticar Taijiquan (tai chi chuan) é única no sentido em que somente nesta postura o relaxamento do corpo leva ao fortalecimento da musculatura interna. Portanto o pensamento correto durante a prática é “relaxar”. Por mais aceitável que seja o aluno desejar fortalecer o corpo, afinal este é o motivo para treinar, o foco mental durante o treino deve ser em relaxar. Isto porque relaxar é a causa, e fortalecer é a consequência – e estas não devem ser confundidas.

Comentários

 
Eu conheço o Taijiquan (tai chi chuan) como o estilo de Taichichuan mais popular da China. Essa ligação existe?
— Francisco Eugenio De Mico

Taijiquan e Taichichuan significam exatamente a mesma coisa: a diferença está apenas na grafia. Aqui eu ofereço uma explicação detalhada dos sistemas de transliteração do chinês.

Se Taichichuan é uma arte marcial, como não se dedicar para aprendê-la por completo ? (…) Se o objetivo é a profilaxia, qualquer outra atividade física mais simples e que requeira menos recursos como caminhar seria mais indicada.
— Vitor

Dedicação exclusiva não se refere a aprender o Taijiquan (tai chi chuan) completamente ou pela metade. Dedicação exclusiva significa treinar de 6 à 8 horas por dias, todos os dias da semana – ou seja, não sobra tempo para estudar ou trabalhar. O trabalho de quem faz isso é somente treinar. O treinamento dos descendentes da família Chen é assim, e começa mais ou menos aos 8 anos de idade indo até uns vinte e poucos anos neste ritmo. Depois a carga de treino é um pouco menor, em termos de horas.
Sobre profilaxia: o Taijiquan (tai chi chuan) pode sim ser usado como um modo de fortalecer a saúde. O escopo da comparação com a caminhada é por demais limitado. Em inúmeras situações o Taijiquan (tai chi chuan) é mais indicado – por exemplo, a característica de mover vagarosamente o peso de uma perna para a outra pode ser considerada como favorável para portadores de osteopenia (diminuição da densidade óssea que precede a osteoporose), pois a concentração do peso sobre as cabeças dos ossos longos pode ajudar a estimular a produção de tecido ósseo. Se o Taijiquan (tai chi chuan) for praticado a médio e longo prazo, os efeitos positivos para a saúde são muito mais importantes do que os proporcionados por uma caminhada. Atualmente, pesquisas acadêmicas demonstram a superioridade do Taijiquan (tai chi chuan) em relação à exercícios convencionais.

Estilos externos como Wing Chun, Muay Thai, e o Jiu Jitsu, tem sido os destaques na midia, mas a história fala de grandes lutadores de Taijiquan (tai chi chuan). Qual o motivos desses grande lutadores de Taijiquan (tai chi chuan) serem conhecidos apenas nas estórias e contos chineses?
— Dagmar

O Taijiquan (tai chi chuan) foi criado por um comandante de milícia do século XVII no norte da China, cuja experiência era de guerra. Assim, a exigência de um treinamento longo e severo e de dedicação exclusiva era apenas natural, afinal a sobrevivência no campo de batalha dependia disto. O objetivo de um soldado treinado assim não é lutar com um oponente num ringue, é matar o máximo de inimigos o mais rápido possível: numa guerra medieval não há luta, há somente matança.
O Taijiquan (tai chi chuan), para ser eficaz, depende do domínio do método de gerar força em primeiro lugar, e depois disso evidentemente das técnicas e táticas de combate. Acontece que para dominar tudo isto o mesmo treinamento continua sendo necessário, não basta praticar uma hora por dia, três vezes por semana. Atualmente, quem estaria disposto a passar pelo treinamento necessário para tanto? Que eu conheça, apenas os descendentes da família Chen (de Chenjiagou), que criou o Taijiquan (tai chi chuan), e alguns poucos alunos destes (no Ocidente conheço apenas dois). E onde este treinamento está disponível? Certamente não na praça mais próxima – nem aqui nem na China – mas sim na casa dos Chen, apenas.

Gostaria de saber quais os estilos confiáveis de Taijiquan (tai chi chuan) para praticar no Brasil, em especial em São Paulo. Li um pouco sobre esta arte e vi que existem vários estilos de Taijiquan (tai chi chuan) (como Chen,Yang,Wu,Sun).
— Saulo

Não há estilos confiáveis ou estilos suspeitos. O que há é professores competentes e “professores” incompetentes. Um estilo de Taijiquan (tai chi chuan), desde que preserve os princípios fundamentais da arte, é tão confiável quanto o estilo Chen (o Taijiquan (tai chi chuan) original, criado pela família Chen). No entanto é preciso enfatizar que não é fácil encontrar professores de Taijiquan (tai chi chuan) bem preparados e que sejam capazes de reproduzir os princípios durante o movimento, que dirá ensinar estes princípios aos seus alunos.
Evite crer em mistificações. Adquira um ou dois (não precisa mais que isto) vídeos do Grão-Mestre Chen Xiaowang para ter uma idéia de como é o movimento executado corretamente. Escolha um professor que siga uma linha tradicional e que receba ele próprio instrução regularmente, de um mestre. Frequente os seminários de Taijiquan (tai chi chuan) que estão acontecendo no Brasil, e compare os ensinamentos do seu professor com os ensinamentos dos mestres.

Já ouvi dizer que tecnicas de Taijiquan (tai chi chuan) que machucam nada externamente, e fazem um estrago interiomente.
— Douglas

O mestre Jan Silberstorff explica que basicamente pode-se dar uma pancada de dois modos: com o qi chegando no punho (ou na parte do corpo usada para bater), ou com o qi saindo do punho. Se for usado o primeiro modo, o impacto é mais na superfície, já se for usado o segundo modo, o impacto penetra mais profundamente e o dano interno no oponente será maior. É claro que superficial e profundo são conceitos relativos, e que as técnicas diferentes têm aplicações diferentes.

Aos 60 anos, sou bem disposto, trabalho o dia inteiro mas nao faço nenhuma atividade física. Descobri há dois meses que minha pressão esta alta e passei por um medico que prescreveu medicamentos. De que forma o Taijiquan (tai chi chuan) podera me beneficiar? Quantas vezes por semana preciso praticar?
— Ari

Algumas pesquisas acadêmicas indicam que o Taijiquan (tai chi chuan) pode ser prescrito como um exercício moderado e seguro, e tem efeitos sobre a condição cardiovascular e a pressão arterial em repouso. Se você praticar Taijiquan (tai chi chuan) 3 vezes por semana, isto será o suficiente para ajudar na sua saúde. Se você começar a tomar gosto pelo treinamento você pode praticar até mesmo todo dia. Nunca deixe de informar e conversar com o seu médico sobre qualquer exercício ou tratamento complementar que você vier a fazer.

Sou um praticante do Taijiquan (tai chi chuan), e queria saber se existem campeonatos de Taijiquan (tai chi chuan), e se o Taijiquan (tai chi chuan) é confiável para defesa pessoal.
— Francenildo

O Taijiquan (tai chi chuan) foi criado a partir da experiência nos campos de batalha, e é uma arte de guerra (marcial). No entanto, para usar o Taijiquan (tai chi chuan) desta forma é necessário que o praticante tenha um treinamento pelo menos parecido com o de um soldado profissional, em termos de tempo de treinamento e carga horária. É muito raro que hoje em dia alguém tenha disponibilidade de dedicar tanto tempo ao treinamento, e é ainda mais difícil encontrar um professor que conheça o suficiente para ensinar isto.
Existem campeonatos de Taijiquan (tai chi chuan), basicamente de dois tipos: campeonatos de forma, em que é julgada a qualidade da execução da sequência de movimentos, com base em critérios que nem sempre são os mais tradicionais ou ortodoxos; e campeonatos de tuishou, em que um competidor tenta derrubar o outro. Nos campeonatos de tuishou os competidores são impedidos por um conjunto de regras de usar as técnicas do Taijiquan (tai chi chuan) em toda a sua extensão.
Mas o que é mais importante é que qualquer pessoa que pratique Taijiquan (tai chi chuan), mesmo que com intensidade moderada, pode conseguir benefícios para si muito maiores do que aprender defesa pessoal. O Taijiquan (tai chi chuan) tem infinitamente mais a oferecer do que habilidade marcial, e os frutos preciosos da prática regular estão ao alcance de todos.

Para dar aula de Taijiquan (tai chi chuan), o professor tem que ter qual formação? Tem que ser formado em educação física? Fisioterapia?
— Patrícia

Para ensinar Taijiquan (tai chi chuan) o professor tem que saber Taijiquan (tai chi chuan). É inútil um professor com formação acadêmica, vários títulos e pós-graduações, que não conheça o sistema ou não o tenha aprendido tradicionalmente.
Hoje há no mundo não mais que uma dúzia de mestres de Taijiquan (tai chi chuan). Nenhum deles aprendeu em uma instituição de ensino – todos aprederam dentro das famílias que transmitem a arte tradicionalmente. Nenhum deles ensina em universidades, todos continuam ensinado Taijiquan (tai chi chuan) tradicionalmente (dentro da família, e para seus discípulos).
A institucionalização e a academicização do conhecimento são estranhas aos sistemas marciais tradicionais. Na própria China, embora haja faculdades devotadas à estas artes, os Grão-Mestres continuam sendo formados no seio das suas famílias. Isto é natural pois o conhecimento contido por exemplo no Taijiquan (tai chi chuan) é empírico, corporal, e só pode ser apreendido com anos de prática em dedicação exclusiva sob orientação de um mestre. Não há ensino teórico que sequer se aproxime disto. Além disso tudo, o Taijiquan (tai chi chuan) envolve uma mudança da mecânica corporal que é alheia e desconhecida dos sistemas de movimento convencionais, como os existentes no Ocidente e estudados na academia.

Fui praticante de estilo de kung-fu Choy Lay Fut por algum tempo e devido a um acidente em uma das aulas, sofri um rompimento do ligamento cruzado anterior do joelho direito. Isso já faz mais de 1 ano e hoje não sinto absolutamente mais nada e gostaria muito de voltar a praticar alguma arte marcial. Um primo meu teve um problema semelhante e seu mestre recomendou que visando a diminuição dos movimentos de impacto, melhorias de circulação, energia , ele passasse a praticar Taijiquan (tai chi chuan)
— Eduardo

Quando algo como romper um ligamento do joelho acontece, o corpo humano desenvolve uma reação natural e inevitável de defesa, e passa a fugir da dor resultante de colocar peso/força na articulação. No caso do joelho isto é ainda pior por ser uma articulação que recebe o peso do corpo (seria menos grave no caso de um cotovelo). Isto é feito deslocando o quadril de um dentre vários modos possíveis, e toda a postura corporal é alterada de acordo, num sistema de compensação. Assim a musculatura envolvida com a articulação que sofreu o dano vai ficando enfraquecida, e um círculo vicioso se forma.
Para recuperar a função da articulação primeiro é necessário obviamente um período de repouso, de modo a esperar que o trauma físico seja superado. Depois disso, um professor de Taijiquan (tai chi chuan) altamente qualificado saberia como corrigir a postura do seu corpo de modo gradual, para que a articulação se fortalecesse gradativamente, e a postura correta do corpo fosse recuperada. Todas as outras articulações do corpo estariam envolvidas na recuperação, pois todas elas foram deslocadas para compensar o problema original. O processo de recuperação total leva vários anos. No caso de um ligamento rompido, é claro que a musculatura teria que ser fortalecida para dar sustentação à articulação – mas com uma “tecnologia” de movimento muito mais holística e profunda.
O processo é muito mais complexo do que apenas fazer um exercício moderado e de baixo impacto. A melhoria na circulação de sangue é quase imediata, mas a circulação do qi requer bastante tempo para surtir efeito. Se, por outro lado, você praticar Taijiquan (tai chi chuan) simplesmente com o professor mais próximo disponível, você ficará sujeito a torções indesejáveis especialmente do joelho, o que seria desastroso no seu caso. Eu mesmo conheço pessoas que, embora tivessem articulações saudáveis no início do treinamento, acabaram por machucá-las seriamente praticando Taijiquan (tai chi chuan) com professores incompetentes.

Pelas discussões, vi que a prática errada com professores desqualificados pode causar lesões. Como ter certeza que o professor de Taijiquan (tai chi chuan) de uma determinada academia de artes marciais é qualificado ou não? Como praticar o Taijiquan (tai chi chuan) com segurança? Existem livros ou vídeos em português que possam nos ajudar?
— Renato Lopes

É verdade que é possível sofrer lesões praticando Taijiquan (tai chi chuan) sob a orientação de maus professores. Mas o Taijiquan (tai chi chuan) não é diferente de nenhuma outra prática física neste aspecto: seja qual for o esporte que você praticar, se o fizer sem orientação adequada poderá sofrer lesões. Além disso, se você praticar qualquer esporte sob orientação adequada, mas com grande intensidade, também sofrerá lesões. Os maiores atletas em todos as modalidades esportivas têm acesso aos melhores treinadores do mundo, sofrem lesões frequentemente e ficam boa parte do seu tempo em tratamento para recuperação. Nós os vemos somente quando estão em ótima condição, nas competições, mas a realidade do cotidiano deles é muito diversa do que aparece na televisão. Neste aspecto o Taijiquan (tai chi chuan) é bastante diferente: se você tiver acesso aos melhores professores do mundo e treinar intensamente, muito dificilmente sofrerá alguma lesão, pois o Taijiquan (tai chi chuan) desenvolveu-se levando em conta a preservação e fortalecimento da saúde do praticante.
Há duas maneiras de identificar bons professores: uma é treinar sob a orientação de um professor mundialmente reconhecido. Há poucos professores no mundo neste nível, talvez haja menos de uma dúzia deles, e nenhum mora no Brasil. Estão entre estes os descendentes diretos das famílias que preservaram ao longo dos séculos a transmissão dos princípios da arte, como a família Chen, que criou o Taijiquan (tai chi chuan) no século XVII. A segunda maneira é já conhecer bem os princípios do Taijiquan (tai chi chuan). Como foi explicado por Jan Silberstorff no seu III Seminário no Brasil, para que seja possível distinguir o que é real do que não é ao observar alguém praticando é necessário já ter atingido o segundo nível de gongfu (kung fu). Esta afirmação pode causar surpresa, mas é bastante lógica: como seria possível, por exemplo, alguém que nunca houviu música distinguir um músico amador que toca há um ou dois anos de um músico profissional que dedica sua vida ao auto-aperfeiçoamento? Da mesma forma, só pode reconhecer a presença dos princípios do Taijiquan (tai chi chuan) dentro do movimento quem conhece na prática estes princípios.

Se é inviável para a maioria das pessoas praticar Taijiquan (tai chi chuan) como defesa pessoal, restam somente os benefícios do desenvolvimento da força interna para fortalecimento da corpo. É possível desenvolver esta força interna praticando uma ou duas horas por dia, que é o tempo disponível para a maioria das pessoas? Como seria o treinamento para pessoas com esta limitação de tempo? É possível aprender a postura correta em seminários ou aulas particulares, sem o acompanhamento constante do professor (para alunos residentes em outras cidades)? A força interna poderia ser desenvolvida apenas com o treinamento de Zhan Zhuang, que é comum a outras artes marciais, como o I-Chuan? Quais os benefícios da prática diária de formas de taijiquan sem o desenvolvimento desta força interna?
— Flávio Pessoa

Os benefícios conquistados através do desenvolvimento da força interna não são poucos nem de pequena importância. Na atualidade, quando vivemos em sociedades onde impera (pelo menos em tese) a civilidade, eles são muito mais importantes que a habilidade marcial. Dificilmente alguém com treinamento marcial tem necessidade, ou optaria por se defender usando suas mãos. Por outro lado, o desenvolvimento da força interna traz benefícios que são sentidos no cotidiano e se estendem por toda a vida do praticante.
É possível desenvolver esta força com uma ou duas horas de treinamento diário. Considerando que haja acesso a um professor com conhecimento, o mais importante para o desenvolvimento da força interna é a regularidade (ou seja, praticar 6 ou 7 dias por semana). A carga de uma a duas horas por dia é suficiente para gerar efeitos sensíveis.
Nos primeiros muitos anos, o treinamento seria idêntico ao de quem pratica com dedicação exclusiva, ou seja: zhanzhuang (zhan zhuang), chansijin e laojia (ou outra forma, por exemplo a de 19 posturas). Quando se pratica com objetivo marcial, o progresso passa por primeiro desenvolver a força interna até um ponto de um determinado grau de possibilidade de uso dessa força, somente então começar a estudar sua aplicação prática. Isto pode ser mehor compreendido lendo os textos sobre Os cinco níveis de Kung Fu no Taijiquan (tai chi chuan) do Grão Mestre Chen Xiaowang.
Aprender sem ter um professor na sua cidade é uma tarefa difícil, longo e que requer muita perseverança. Além disso, depende bastante do corpo do aluno: do seu talento natural para o movimento, da sua experiência corporal prévia, do quanto o seu corpo é simétrico em termos de força e habilidade, e de que vícios posturais ele tem antes de começar a praticar. E é claro depende da profundidade do conhecimento do professor e da sua habilidade didática.
Seria hipoteticamente possível desenvolver força interna praticando somente zhanzhuang, mas há que se levar em conta que o zhanzhuang é um exercício estático e é apenas uma parte do sistema. O zhanzhuang é a forma mais simples de treinar o corpo para a força interna, no entanto ele não treina o praticante para manipular a sua própria força. Como o zhanzhuang poderia treinar o praticante para girar o corpo, bater à retarguarda, ou emitir a força em várias direções, a mover-se rapidamente ou carregando uma arma pesada, ou a lidar com um oponente? O zhanzhuang (zhan zhuang) é uma pedra fundamental do sistema, sua prática é indispensável, mas não é tudo nem dispensa as outras partes do sistema completo que é o Taijiquan (tai chi chuan).
Os benefícios da prática sem o desenvolvimento da força interna seriam equivalentes aos de uma prática esportiva de intensidade moderada, com uma carga cardio-respiratória leve e de baixo impacto, acrescidos de algumas vantagens específicas como: desenvolvimento de uma percepção mais acurada do próprio corpo (devido ao direcionamento da mente para este, em oposição por exemplo a exercitar-se vendo televisão); melhoria do equilíbrio; e treinamento preliminar para meditação. Além disso o Taijiquan (tai chi chuan), por basear-se no relaxamento e na naturalidade, é um exercício altamente adaptável à possibilidade física do iniciante, por isto se presta a ser usado com sucesso para reabilitação e por idosos.
Mas é preciso ter cuidado, pois se não se está caminhando para desenvolver força interna isto significa que o treinamento não está sendo perfeitamente conduzido em termos posturais – muita atenção para não causar lesões, especialmente nos joelhos, devidas à torções antifisiológicas. O desenvolvimento da força interna é uma consequência natural da postura correta, e a ausência da primeira indica um erro na segunda.

Da leitura dos textos sobre os cinco níveis de habilidade no Taijiquan (tai chi chuan) do Grão-Mestre Chen Xiaowang pareceu-me que o aspecto marcial passa a ser desenvolvido no terceiro nível. Sendo assim, gostaria de saber como se desenvolve o treinamento até o segundo nível de habilidade no Taijiquan (tai chi chuan). Você explicou que no início pratica-se zhanzhuang, chansijin e laojia (ou outra forma, por exemplo a de 19 posturas). Com esse treinamento atinge-se o segundo nível de habilidade? Gostaria que você esclarecesse quais são exatamente os benefícios do desenvolvimento da força interna.
— Flávio Pessoa

Segundo Jan Silberstorff, ao completar o segundo nível de habilidade alguém tem habilidade suficiente para vencer qualquer briga comum, e no terceiro nível de habilidade para vencer um inimigo que deseje realmente eliminá-lo. Com os treinamentos de zhanzhuang, chansijin e laojia é possível atingir o segundo nível de gongfu (kung fu). Durante os anos de prática necessários para isto várias outras formas fazem parte do currículo, inclusive formas com velocidade e explosão como o paochui e formas com diversas armas. Em princípio elas não seriam indispensáveis, mas na prática elas são necessárias para a eficiência didática. Além disso, para aplicar as técnicas com eficácia é necessário treinamento específico, o que é coberto com os vários tipos de tuishou. Para uma explicação sobre os benefícios do desenvolvimento da força interna, por favor veja o artigo que acabo de escrever a respeito.

Quais as orientações para antes e depois da pratica do Taijiquan (tai chi chuan)?
— Pedro Luiz

A recomendação mais importante para antes e depois da prática é: acalmar-se. Sem se acalmar, a prática é pouquíssimo produtiva. Antes de começar a treinar, fique uns 10 minutos sem fazer nada, nem se preocupar com nada. Este é aproximadamente o tempo necessário para que a mente se tranquilize naturalmente, e o corpo relaxe de acordo. Depois de treinar, tenha também uns 10 minutos de tempo livre, para manter-se tranquilo e permitir que a circulação do qi volte ao normal e o corpo e mente voltem ao estado de repouso.

Qual a relação do Taijiquan (tai chi chuan) com Kung Fu?
— Lara

Kung fu ou gongfu (kung fu) é um termo que hoje tem um significado genérico, em geral sendo usado para designar artes marciais chinesas. Existem centenas de estilos de Kung Fu. Neste sentido pode-se dizer que o Taijiquan (tai chi chuan) é um estilo de Kung Fu. Qualquer pessoa pode praticar mais de um estilo de Kung Fu, não há problemas. Algumas pessoas acham isto ideal, outras nem tanto.

É possível aprender Kung Fu sem ter aulas de combate?
— Ali

O Taijiquan (tai chi chuan) é um dos estilos marciais que menos exigem (talvez seja o que menos exige) treinamento de combate, e ainda assim é necessário algum treinamento neste sentido para aprender realmente a lutar. Outros estilos de Kung Fu precisam de bastante treinamento de combate para adestrar o aluno a lutar. Mas veja bem, até aqui falei de lutar. É possível aprender o movimento, as posturas, e boa parte da atitude mental sem sequer desejar a aprender a lutar, e ainda assim beneficiar-se muito com este aprendizado. Lutar é apenas uma das aplicações possíveis.

Se praticarmos apenas a forma reduzida, no caso a forma 19 posturas, atingiremos o mesmo objetivo proposto?
— Dagmar

Em tese seria possível aprender o suficiente praticando apenas uma forma reduzida, pois a essência do estilo está contida em todas as formas. No entanto, eu acredito que praticar por muito tempo apenas uma forma reduzida é um método que tem boas chances de não dar certo devido à dois aspectos: primeiro uma forma reduzida contém a essência mas não um número suficiente de variações decorrentes, e além disso há aspectos do movimento que não podem ser aprendidos numa forma reduzida. Por exemplo: praticar com uma arma pesada é útil entre outras coisas para ensinar o aprendiz a transmitir a força contra algum resistência (a inércia do objeto, no caso). Praticar formas longas e rápidas treina a capacidade de mudar rapidamente a força e de aplicar [fajing] em consecução. O sistema é composto de muitas formas, e todas elas têm seu lugar e seu motivo.

Gostaria de saber se existiu uma mudança significativa no Taijiquan (tai chi chuan), devido as mudanças pelas quais passou a sociedade em geral, ou se ele continua sendo trasmitido da mesma maneira.
— Ighor

No estilo Chen o conteúdo não mudou siginficativamente com o passar do tempo. Algumas posturas desapareceram, outras foram criadas, alguns métodos foram desenvolvidos no sentido didático. O que se pode dizer é que obviamente o ensino atualmente é menos severo do que a 200 anos atrás, quando a sobrevivência dependia da habilidade.

Já vi anúncios de aulas de Taijiquan (tai chi chuan) estilo Chen que tem como pré-requsito a prática de outros estilos. Isto é razoável? Não posso praticar atividade física que o rítimo cardíaco seja muito intenso, a frequência recomendável é de 135. Há necessidade de um frequencia cardíaca muito acima disso para alcançar um nível de conhecimento e propriedade no Taijiquan (tai chi chuan)? Voce vê algum impedimeto quanto às práticas com armas?
— Ricardo

Não há pré-requisitos para praticar o estilo Chen. Se você fizesse as malas hoje e fosse para o vilarejo da família Chen, ninguém lá se importaria com o que você já prticou ou deixou de praticar. O mesmo se aplica se você tivesse aulas com um mestre da família Chen. No máximo perguntariam por curiosidade. É possível que alguém por aqui estabeleça um pré-requisito por não ter tempo ou vontade de ensinar para um aluno que não tenha nenhuma experiência com Taijiquan (tai chi chuan), mas isto não tem absolutamente nada a ver com o estilo Chen, e sim com a disponibilidade de quem está dando o curso.
Pode-se atingir um nível alto dentro do Taijiquan (tai chi chuan) sem praticar em velocidades maiores. É possível aprender bastante dentro da limitação de frequência cardíaca que você descreveu. Quanto à armas também é possível praticar, desde que mantendo um ritmo adequado e não usando armas pesadas (como a alabarda) em velocidade. A espada seria especialmente indicada.

Qual o diferencial em um duelo dentre esta modalidade contra qualquer outra arte de luta?
— Renan Paladini

O diferencial do Taijiquan (tai chi chuan) é que este se baseia em princípios, e não em técnicas ou golpes. Os princípios sobre os quais o Taijiquan (tai chi chuan) foi construído permitem que o corpo se mova com a máxima eficiência possível – é claro, dependendo do grau de treinamento de cada um.

Para aprender essa arte, é preciso ter um corpo fisico específico, como por exemplo um corpo atletico?
— Breno

O Taijiquan (tai chi chuan) não exige que o praticante tenha nenhum biotipo específico, e o treino pode ser iniciado ainda que o aluno esteja sedentário há muito tempo e sem nenhum preparo físico. Uma das maiores vantagens do Taijiquan (tai chi chuan) é a sua adaptabilidade – os mais variados tipos físicos podem praticar.

Qual a diferença entre Wushu olímpico e Wushu tradicional?
— Douglas

Em geral, o que se chama de Wushu tradicional é qualquer estilo de arte marcial chinesa que mantenha a característica marcial. O termo marcial significa: relativo à guerra. Uma arte dita marcial foi criada a partir da experiência de guerra, algumas artes marciais sofreram modificações graduais com o passar do tempo conforme eram mais utilizadas por guarda-costas e escoltas de caravanas que por exércitos. O Taijiquan (tai chi chuan), por exemplo, foi sistematizado por um comandante de milícia chamado Chen Wangting, no século XVII. Atualmente, mesmo na China, é comum referir-se ao Wushu tradicional pelo termo gongfu (kung fu), que na verdade significa habilidade. Já o Wushu olímpico – veja bem, ainda não é um esporte olímpico realmente – é um esporte de exibição. O objetivo das demonstrações é a perfeição da forma segundo critérios estéticos ou acrobáticos, e não a eficiência das técnicas de combate contidas nas formas ou a eficácia da força desenvolvida.